segunda-feira, 24 de setembro de 2007

O caso mais premente e complexo da actualidade

Cresce a especulação de que Musharraf poderá dissolver o parlamento e declarar estado de emergência, caso a justiça bloqueie a candidatura à presidência.

A estabilidade mundial depende, actualmente, do que se passa no Paquistão.
Se este país cai nos braços dos fundamentalistas, e a probabilidade não é nada remota, podemos ter um caso grave, mais ainda do que o projecto nuclear iraniano.
As eleições de Outubro nada terão de democrático, mas a Comunidade Internacional não pode dar-se ao luxo de deixar cair Musharraf, o militar que chegou ao poder por um golpe de Estado e mantém-se por controlo férreo do país.
Nada do que se passa no Paquistão indica cenários de tranquilidade. Pelo contrário. A cada dia que passa o risco de descalabro aumenta.

2 comentários:

euroliberal disse...

Extraordinário, o "socialista" CMC agora apoia ditadores fantoches e vendidos aos EUA e ataca os democratas islâmicos que (se os deixarem) ganham de forma limpa as eleições ! O CMC é um nazi-sionista que apoia ditaduras de Quislings terroristas e colaboracionistas nos países islâmicos...

O traidor Musharraf vai ter o mesmo fim de Sadat...

Nicodemus disse...

As boas ditaduras. Ou as ditaduras boas?