quinta-feira, 13 de março de 2008

A incoerência e falta de respeito da FENPROF

A Fenprof anunciou, esta quarta-feira, que só haverá acordo com o Ministério da Educação em matéria de avaliação de desempenho se o processo for suspenso este ano lectivo e aplicado a título experimental em 2008/09.
a Fenprof considera que o Ministério da Educação terá na sexta-feira «a última oportunidade» para demonstrar que tem capacidade para «negociar e dialogar».
«Entendemos que esta equipa ministerial não tem condições para continuar, porque não tem abertura para o diálogo, nem capacidade para negociar. Contudo, fica o desafio para nos surpreenderem na sexta-feira. Será a última oportunidade», sublinhou Mário Nogueira.


Afinal foi Sol de pouca dura. A direcção da FENPROF não quer mudar nada.
E, coerência é algo que não abunda nos responsáveis da FENPROF. Veja-se a posição do sindicato ao longo dos últimos dias:
Primeiro estava contra a avaliação. Depois manifestou não estar contra a avaliação, mas contra a avaliação que o Ministério da Educação assume. Ontem, já defendeu a suspensão da avaliação. Terceira posição do sindicato em escassos dias!
E, qual cereja no topo do bolo, depois de toda a incongruência: o sindicato, apesar de não acreditar em ninguém do Governo, dá "a última oportunidade", até amanhã!, à equipa do Ministério da Educação para demonstrar que merece a aprovação da direcção da FENPROF, bastando, para tal, ao poder Executivo, suspender a avaliação.
Além de se agradecer alguma consistência nos argumentos (e estamos a falar de um sindicato de professores), que desde o início evidenciou que não tinha nenhuma coerência nas suas posições, e as últimas horas demonstram isso, espera-se que a direcção da FENPROF respeite a vontade dos portugueses, que escolheram este Governo. Que em tempo oportuno será avaliado.
Um sindicalista tem toda a legitimidade e o direito em defender os trabalhadores, mas quem não tem coerência nem respeito, como o líder da FENPROF, que pede a demissão de uma equipa governativa como quem bate palmas, não tem qualquer moralidade para pedir seja o que for.
É bom que os portugueses se apercebam do estilo e das pretensões destes senhores que tanto denigrem o mundo sindical, como em nada se preocupam com a melhoria do Ensino Público.

2 comentários:

odete pinto disse...

E não ficou o fenprof-mor tão bem no "boneco" ao lado do agora ppd-mor?

Coerência por coerência...

Quintanilha disse...

FENPROF da era do Xôr Stor Mário Nogueira: A organização mais radical que o país alguma vez viu!