terça-feira, 11 de março de 2008

A necessária ponderação dos nacionalistas bascos

Cara Odete,
Foi, realmente, uma importante vitória do PSOE no País Basco.
O resultado obtido pelos socialistas na Euskadi, que em certa medida não se pode dissociar do assassinato do autarca socialista Isaias Carrasco (penso que foi a única região onde o seu homicídio teve mais impacto eleitoral), acaba por conduzir Ibarretxe a meditar quanto ao que fazer em termos do anunciado, e não reconhecido pelo poder central, referendo da independência do País Basco, agendado para o próximo Outono.
Obviamente, o referendo não terá qualquer reconhecimento nacional e tal não passa de fogo de vista.
Neste momento, e depois do resultado de domingo, não estou a ver o Governo de Vitória desafiar o poder central de Madrid, pela razão do lehendakari ter de medir bem os seus passos, pois está a pouco mais de um ano da eleição autonómica e este resultado, ao mesmo tempo que dá força aos socialistas, que ganhou na autonomia ao fim de 15 anos, por outro lado fez tremer o poder do PNV. Por isso, não prevejo a concretização do referendo. Veremos dentro de meio ano.
Para já, não prevejo que Patxi López (líder socialista basco) suceda a Ibarretxe. Mas também não se acreditava que o PSE EE ganhasse nas três províncias que formam o País Basco.
Naturalmente, nas eleições autonómicas, os partidos nacionalistas ganham mais força e resta saber se na eleição de 2009 a ANV e o PCTV podem concorrer. Ou, como já aconteceu, não disputando estes o acto eleitoral, o Batasuna pode constituir novo partido que não seja impedido de participar. Além do pormenor, não menos relevante, de como governará Zapatero nos próximos meses, designadamente em termos de autonomias e combate ao terrorismo.

1 comentário:

odete pinto disse...

Não tenho informação sobre a influência, positiva ou negativa, do assassinato no resultado das votações. Em Portugal chegou a ser referido que poderia beneficiar o PP porque esgrimiu mais aguerridamente o combate à ETA durante a campanha.