sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Prioridades políticas

Manuel Pizarro sublinhou que, independente das mudanças no Ministério da Saúde, o projecto é «prosseguir, reforçar e intensificar» a reforma dos cuidados de saúde primários, para «refundar» o SNS.
«Não nos resignamos ao SNS de 2005, quando 750 mil portugueses não tinham médico de família e 40 por cento das consultas eram feitas nos Serviços de Atendimento Permanente (SAP)», disse o titular da pasta da Saúde.

Para primeira intervenção pública, na qualidade de Secretário de Estado da Saúde, Manuel Pizarro esteve muito bem.

1 comentário:

João Semana disse...

Sim, porque apesar dos 750 000 portugueses continuarem sem médico de família as consultas deixaram de se fazer nos SAP porque foram encerrados. Onde se farão agora é que é um mistério.